TOTAL DE VISUALIZAÇÕES

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Primeira Viagem - Impressões

Abaixo, após autorizado pelo autor, posto um e-mail que recebí do Cleber Moscardini a respeito de sua primeira viagem com uma Harley Davidson onde ele descreve, de forma didática, como se utilizou de "dicas" recebidas bem como algumas impressões que poderão ser de muita utilidade para todos nós.


"Amigo Hélio,

 Desculpe a intimidade mas alguém que lhe ensina coisas que podem salvar sua vida só pode ser chamado de amigo.
Minha primeira viagem de Harley Davidson foi uma das experiências mais felizes que já tive, no entanto algumas observações acho importantes para os "harleyros" de primeira viagem. Dos conselhos diversos que recebi, dois acredito absolutamente fundamentais numa primeira viagem.




1.Nunca desista da curva. Ocorreu que eu entrei em uma curva com um pouco mais de velocidade do que acreditava ser capaz de controlar e senti, num milhonésimo de segundo, um frio na barriga, o coração mais acelerado e um medo danado de não conseguir vencê-la. Por um breve momento me ocorreu que a coisa não iria dar certo mas tive sangue frio, assim acredito, apliquei uma dose de pressão no guidão, diminui o raio da curva e me lembrei do segundo grande e essencial conselho:




2. A moto vai para onde você olha. É impressionante como isso funciona. Aplicada a energia, a velocidade, a tocada certa, acredito que se é capaz de vencer qualquer obstáculo simplesmente fixando-se onde você precisa ir. Travar o olhar para o chão, canaleta, velocimetro ou qualquer outra coisa praticamente lhe impedem de fazer o que é preciso.




Duas outras coisas também impressionaram:

Primeiro, o frio. Não imaginava que em movimento a sensação térmica era tão "cortante". Usei luvas com a cobertura em tecido e num dado momento nsentia mais meus dedos (às 7 hs. num trecho de serra). Melhor não subestima-lo da próxima vez.

Segundo, o impacto do vento. Nós, que somos apaixonados por nossas custom e renunciamos a todas as firulas aerodinâmicas, pagamos o preço de sentir uma pressão danada a mais de 100 km/h. E quando ultrapassado por um veículo de grande porte, ou cruzando com um, leva-se um verdadeiro golpe aerodinâmicoe prevê-lo é melhor do que recebê-lo desprevenido, o que pode lhe tomar o contrôle da moto mesmo em retas.




No mais, o som do motor, a vibração do propulsor e a vista da estrada se entregando à sua frente é uma sensação que só quem viaja de Harley pode ter.




Muito obrigado novamente,




Cleber Moscardini em 07/09/2011"

Postar um comentário