TOTAL DE VISUALIZAÇÕES

quinta-feira, 6 de junho de 2013

AV. GERIÁTRICAS II - Pegando o Dragão pelo rabo.


A estrada que nos leva de Charlottesville até Robbinsville, região do Tail of the Dragon, é nada menos do que uma das mais espetaculares estradas dos Estados Unidos. Já percorri 3 anos seguidos suas quase 500 milhas em ambos os sentidos e o prazer é o mesmo. Asfalto excelente, sinalização perfeita, curvas de todos os tipos, uma estrada construida em um complexo de parques florestais de forma a não agredi-los, por mínimo que seja. Transito majoritáriamente de motos. Astral nas alturas. Só conhecendo mesmo para acreditar. Como um bonus, ao final ela nos deixa a poucas milhas de Deals Gap, onde tem início o Tail of the Dragon. 


Muitas pessoas me perguntam se vale a pena repetir o Tail of the Dragon, ou mesmo se compensa investir uma grana para viajar até lá. Acho que a resposta é a mesma que voce receberá de um surfista se pergunta-lo por que Pipeline no Hawai, afinal ondas existem em todas as partes do mundo. No meu caso, a primeira vez em que pilotei no Dragão foi em 2011 com uma Ultra Classic alugada em Staunton (VA). Eu estava sózinho e com uma moto alugada, isso levou-me a uma pilotagem extremamente cuidadosa e sem chegar perto de limites. 


Já no ano passado, 2012, além de estar com a minha moto, uma Honda Goldwing 1987, estava acompanhado do Cyro também com uma Goldwing Aspencade. De cara cometí um erro, eu deveria ter deixado o Cyro ir na frente pela sua maior experiencia mas a ansiedade falou mais alto e esqueci deste detalhe, o fato é que eu estava indo bem, a empolgação aumentando, as pedaleiras da Camila raspavam o asfalto com vontade e a sequencia de curvas não dá tempo para voce respirar. São 11 milhas mas sem nenhuma folga entre as 315 curvas: redução, olhar, contra-esterço, aceleração e já outra curva lhe esperando. Eu ia na frente, logo em seguida vinha o Cyro e atrás dele uma moto com um casal (só depois é que fui saber). O fato é que na última milha errei uma curva, e era uma curva para a direita onde, apesar de estar com giro alto e ter fechado o punho, a velocidade ainda era superior à indicada. Com isso invadi a contra-mão e dei uma sorte enorme de não vir nada em sentido contrário (não me perguntem o que faria se viesse um corro ou uma moto pois não sei). O ponto positivo disto, se é que se pode chamar assim, foi que não desisti da curva e acabei trazendo a moto para a mão, arrastando tudo, conseguindo concluir a curva. Mais algumas curvas, o coração voltando à normalidade e entramos no estacionamento de Deals Gap. Paramos os tres bem próximos e ví que o Cyro dirigiu-se para a mulher que estava na garupa da moto que estava atrás dele e rindo comentou que eu tinha errado uma curva, ao que ela respondeu: “- Foi mesmo ? Não ví nada fechei os olhos quando sai e só abrí agora !” 


 

Naturalmente que após este evento, enquanto voltávamos vinha praticando algumas dicas que o Cyro me passou. As coisas ficaram bem melhores e vinha pensando comigo mesmo: “- Em 2013 eu pego esse Dragão pelo rabo ou não me chamo Hélio”.

E agora, com a chuva atrapalhando meus planos, eu estava frustradíssimo e de mau humor. No dia seguinte à nossa chegada além da chuva baixou uma cerração tão densa que dava para cortar com uma faca. Nada a fazer a não ser frequentar uma lanchonete onde o Cyro fez amizade com o dono, que era um tremendo boa praça e adorava motocicletas. Tempo se esgotando, hora de ir embora e a chuva dá uma parada, embora com um pouco de cerração. Viro para o Cyro e pergunto, vamos dar uma passadinha no Dragão ? Só para olhar ? Chegando lá (a umas 8 milhas de distancia) o sol abrindo e o chão seco me convidavam. Nem esperei o Cyro, conversei com a Helo e lá fomos nós. 2ª. E 3ª. marchas sem usar freio, RPMs no mínimo a 3.500, concentração total, peso no pé do lado interno da curva, mão esquerda “cobrindo” manete de embreagem, ponta do pé esquerdo em cima do pedal do cambio para a eventualidade de precisar jogar uma marcha mais baixa (nunca a 1ª. pois o risco de ficar em neutro é grande) e a Helö bailando que era uma beleza desmentindo boateiros que dizem que HD não faz curva. A verdade é que lavei a alma, voltei encharcado de suor mas rindo a toa com o trabalho realizado. Agora vamos esquecer isto e voltar a pilotar com juizo. Tail of the Dragon é só uma vez por ano. É o único pecadinho a que me permito.
 
 
 
 
 

 
Essas fotos são feitas por profissionais que ficam em locais estratégicos e com máquinas dotadas de lentes com zoom poderosíssimos permitindo uma resolução acima da média, tanto é que tive de reduzi-las para que o blog as aceitassem.

 

Interessante notar nesta última foto, em que foi ampliado apenas a região do conta-giros da Helo que ele está marcando 3.500 RPM no meio da curva. Acho que ficou bem didático. Entrar em curvas acentuadas ou que voce não conheça com giro baixo é procurar problema.
 
 
 
 
 
 

 
Postar um comentário