TOTAL DE VISUALIZAÇÕES

segunda-feira, 1 de junho de 2015

UM VELHOTE DE MOTO NA EUROPA - 15

Miranda do Douro – Riaño

1 junho 2015

Hoje comecei a segunda parte do roteiro traçado pelo Jorge Meirelles. O objetivo é Andorra porém passando por um roteiro sugerido por ele que conhece bem a área. Muitas vezes amigos sugerem cidades, locais especiais ou roteiros de dar água na boca e não entendem, como nós motoqueiros, trocamos o charme, o conforto e a segurança dos grandes circuitos por estradas sinuosas, na maioria das vezes em montanhas, com raros postos de combustível,  passando por vilarejos quase desconhecidos para, ao final, sujos,  cansados e com os olhos brilhando prometer repetir o circuito recém terminado. Só quem é do ramo entende e por isso digo que foi uma sorte encontrar o apoio do pessoal do Motoclube do Porto e, em especial, o do paciente e fraternal  Jorge Meirelles. Assim como esta viagem, ficará também gravada entre minhas melhores lembranças a irmandade que encontrei entre os “motards” portugueses.  Os gajos carregam n’alma o mesmo espírito aventureiro que fizeram este país, contra todos os fatos, tornar-se uma das maiores potencias marítimas na época das grandes navegações.  
Isto posto, voltemos à perna entre Miranda do Douro e Riaños. A primeira fase, aquela em território português, me impressionou pela perfeição do conjunto: estradas para quem gosta de pilotar, paisagens de tirar o fôlego, vilas e cidades onde se respira história e uma gente que nos recebe com a alegria de reencontrar um irmão d’além mar. Depois de tudo isso imaginei que a segunda parte, já agora em território espanhol, muito dificilmente estaria à altura da primeira, afinal, e como fosse pouco,  eles não tem o Douro, pensei. Mais uma vez precipitei-me, já na entrada da Espanha começa uma região de barragens cujos lagos refletem ruínas deixadas por antigos habitantes. E foram tantos os que se sucederam ao longo dos milênios que tornou-se fácil identifica-los pela sua influencia nas relíquias históricas deixadas pelo caminho: romanos, mouros, visigodos, saxões, bretões, gauleses, etc.
Como sempre, muitas paradas para fotos ou, simplesmente, para entrar e fazer parte de um cenário, mesmo que por poucos minutos,  afinal é o que ainda fazemos no grande espetáculo chamado vida.
Com tudo isso, o tempo de viagem foi aumentando e resolvi acelerar o passo, a melhor saída para faze-lo era buscar uma autovia e “enroscar o cabo” mantendo 120 Km e de vez um quando um “outlaw” para acompanhar os mais apressados. Nesse momento o Tomtom Macoute entrou em parafuso e me informava que não havia estrada sob as rodas da Brigitte. Enlouqueceu totalmente, só o mantinha ligado para controlar a velocidade já que montei todo o roteiro baseado no Atlas de Carreteras Michelin. A estrada que ele jurava de pés juntos não existir é a A6, duas pistas com 3 faixas de rolamento cada uma com velocidade de 120 Km que liga Madrid ao Atlântico, ou seja trata-se de um boçal.

No km 160 da estrada peguei a N625, margeando o rio Esla, evitando entrar em León e que me levou a Riaño por pista única,  asfalto muito bom, como em todas as estradas até agora, e no final (já sendo chamada de N621) um trecho com uma gostosa serrinha e a chegada num belo lago  aos pés do Parque Nacional dos Picos de Europa, onde, para não perder o hábito, parei para umas fotos e acabei batendo papo com um motard de Bilbao que parou para fazer fotos também.

















Postar um comentário